Oxford pelos olhos de uma intercambista (parte 2)

Eai futuros/ex intercambistas , vamos falar sobre programas culturais em Oxford?

Se você tem Oxford como próxima parada, senta aí e começa a anotar, são dicas de ouro pra você não ficar sem ter o que fazer nessa cidade maravilhosa. E se você -ainda- não tiver Oxford no roteiro, espero que consiga fazê-lo mudar de ideia.

Pois bem, começando pelo fato de que eu sou apaixonada por coisas medievais. Me deparar com a grande maioria dos 38 colleges de Oxford foi como estar num livro de história, quando levando em consideração que as universidades, em sua maioria, são localizadas em antigas construções (lê-se castelos) da cidade. Pense numa pessoa que ficou apaixonada e registrando tudo em vídeos e fotos: eu!

  • Open days: quem aí já ouviu falar? Se escutar alguém comentando sobre isso, cola nela que é sucesso. Os open days são nada mais nada menos do que dias (normalmente sábados e domingos) em que as faculdades abrem suas portas para todo mundo que quiser visitar os campus. Na maioria das vezes, eles não cobram nada por isso, no máximo colocam uma plaquinha na entrada indicando que você pode dar “o quanto você quiser”, e esse dinheiro normalmente é revertido para uma instituição de caridade.IMG_1289.jpg
    Quando estive em Oxford, tive a sorte de pegar um final de semana de open days, e pude visitar 15 universidades (se não estiver errando as contas). Fiz até mesmo um vídeo (#Aloucadosvídeos) com vídeos e fotos de algumas delas, e prometo colocar no youtube qualquer dia desses.
  • Parques: não tem como negar que meus olhos brilham só de pensar em passar a tarde no parque com os amigos. Vale constar que boa parte desse amor todo que eu sinto por aqueles gramados verdes cheio de jovens (alguns jogando algum esporte, outros apenas sentados conversando e comendo/bebendo algo) deve-se aos meus amigos muito habilidosos, João Pedro e Wayne. O João (como quem já leu esse posts deve saber)  garantia que nenhum momento passasse em branco, tirava foto de tudo, inclusive das caretas que eu fazia enquanto reclamava pedindo pra ele parar com os clicks. E o Wayne arrasava no violão! Música+fotos+amigos+comidas+bebidas= <3-South Park: fica por trás do Tesco da Cowley Road. Lembro que no período entre outubro->dezembro começou a ficar muuuito frio e por isso, era impossível ficar no parque se não tivesse bem agasalhado. Além de tudo chovia quase todos os dias -mesmo quando o dia começa com um solzão? Sim- e a dica é ir com alguma botinha fácil de limpar, nada de tênis bonitinho ou sapatilhas. A dica pra o South Park é andar até os “fundos” do parque, onde a grama é mais elevada. Lá de cima você tem uma vista surreal da cidade, vale muito a pena (preciso dizer que no pôr do sol fica ainda mais lindo?).IMG_1956
    IMG_2109.JPG
    -Christ Church: mais conhecido pelo seu dining room do que por qualquer outra coisa, o Christ Church que também é um College e tem um parque maravilhoso, ganhou atenção quando o Dining Room foi usado como inspiração para os filmes de JK Rowling, Harry Potter. Ao contrário do que muitos pensam, o filme não foi gravado lá, mas o espaço foi minunciosamente copiado e recriado em um estúdio, onde ocorreram as gravações. Vale muito a pena conhecer o College, principalmente se você for fã de Harry Potter. Por ser muito perto do centro, é o destino preferido para comer alguma coisa no intervalo do almoço, para fazer piquenique a tarde ou até mesmo para dar uma volta.

    Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Museus: tenho que assumir que sou muito cri cri pra gostar de museus. História sempre foi uma das minhas matérias preferidas e eu amo coisa antiga, vivo falando “acho que nasci na época errada” pelo fato de amar histórias medievais, castelos, o jeito como as mulheres se vestiam antigamente com aqueles vestidos longos e rodados… Mas passar horas e horas andando e vendo quadros e estátuas não é muito minha praia, então tenho uma teoria de que quando eu gosto, é porque o museu é muito bom mesmo #selogiovanadegarantia kkkk. Então, os que vou indicar aqui, são os que eu realmente gostei.
    -Ashmolean Museum: maravilhosa a arquitetura externa do museu -que é o museu público mais antigo da Inglaterra- e por dentro é super moderno, muito legal mesmo! Tem umas áreas interativas e restaurante (tanto interno, quanto um no rooftop, com uma vista linda!). Vale a pena ir.oxford-cf-eatdrink-oxford-ashmolean-roof-terrace-ks-restaurants-gastro-pubs-2126-large
    4528870_4ac29c6e.jpg
    -Natural History Museum: dentro do museu tem o Pitt Rivers Museum, que contém a coleção de objetos antropológicos e arqueológicos da Oxford University. Vale muito a pena ir.

    Este slideshow necessita de JavaScript.

     

  • Bridge of Sighs: a ponte -acredito que seja a mais famosa de Oxford- liga o Hertford College e o New College Lane. É parada obrigatória para fotos!DSC02381.JPG
  • Door that inspired Narnia: curiosidade, mas que vale a pena a parada. Essa porta é alvo de muitos flashes ao longo do dia, por ser conhecida como a porta que inspirou a porta do filme de Nárnia, além de ser muito bonita. Fica entre a High Street e a Radcliff Camera.IMG_1341.jpg
  • Botanic Gardens: apesar de haver momentos em que parecia que eu já conhecia Oxford como a palma da minha mão, tiveram lugares que eu não cheguei a ir -que pena ein Pai, acho que vou ter que ir lá qualquer dia desses- e um desses lugares foi o Botanic Garden. Quem me conhece sabe o quanto eu sou apaixonada por flores, e não tem explicação eu nunca ter ido lá. Sempre babei nas fotos, mas no dia que eu marquei com meus amigos de finalmente conhecer o Botanic Garden, já estava fechado. E isso foi no meu penúltimo dia em Oxford, ou seja, perdi a chance! Mas, como eu sei que esse lugar é maravilhoso, faço questão de indicar, tenho certeza que ninguém vai se arrepender de ter ido, e sim de não ter ido!IMG_6190
  • Oxford Castle: o “castelo” não é nada impressionante, principalmente quando comparado com as 38 universidades que existem nos arredores de Oxford, que como já disse anteriormente são verdadeiros castelos. O Oxford Castle teve boa parte da sua estrutura destruída na Guerra Civil Inglesa no séc 18, e ainda no final desse século foi usado como prisão. Apenas em 1996 deixou de ser prisão e passou a ser um hotel -da série coisas que só acontecem na Europa- clica aqui pra entrar no site do hotel. Dica: na frente do castelo tem um morro que você paga 1 pound (se eu não me engano) pra subir e ver o por do sol lá de cima é a coisa mais linda do mundo, vale a pena!

    Este slideshow necessita de JavaScript.

     

  • Bodleian library: foi inaugurada em 1602 com um acervo de 2000 livros. Hoje, tem 9 milhões de livros espalhados por 176 quilometros de prateleiras, e podendo acomodar até 2500 leitores. Será que é grande? Ainda preciso dizer que vale a pena a visita? Ps: fica logo na frente da Radcliff Camera, e ao lado da Bridge of Sighs.

    Este slideshow necessita de JavaScript.

     

  • Radcliff Camera: um dos pontos turísticos mais falados de Oxford, a famosa biblioteca da Oxford University foi construída em 1749. Não consegui visitar a parte interna, mas se você der sorte, vai pegar algum Open Day.IMG_6490
  • Punting: antes de ir para a Inglaterra não fazia a mínima ideia do que se tratava, mas a partir do momento que coloquei os pés lá vi o quanto o britânicos e turistas adoravam esse esporte -sim, punting é um esporte- e o quanto é lindo ver os rios cheios de barquinhos, seja com casais tomando um vinho com uma cesta cheia de comida, como com adolescentes se divertindo ao tentar guiar o barco. Bom, obviamente o meu caso se encaixa melhor no segundo exemplo. Todo meu amor por punting deve-se a um dos melhores dias do meu intercâmbio em Cambridge. Poderia escrever um textão contando como foi engraçado quase cair enquanto tentava fazer o nosso barco seguir em uma linha reta sem bater em nenhum outro -sim, minhas amigas ME escolheram pra ser a pessoa que fica em pé “remando”, fofas- ou como perseguimos um barco porque nele estava um menino muito parecido com o Cody Simpson (rolou até foto, coitado do menino), ou como foi engraçado e desesperador quando Duda quase caiu quando tentou me substituir, ou como estávamos nos sentindo as famosinhas do rio quando pessoas de outros barcos passavam por nós falando frases motivadoras para a gente sair do canto, rindo e até mesmo tirando fotos nossas. Foi de longe um dos melhores dias, por isso, recomendo muito!
    10694460_724979090873049_8267131493007424017_o.jpg
    Punting em Oxford

    Este slideshow necessita de JavaScript.

     

  • Ice skating: a Kings (colégio em que estudei) sempre organizava uma programação semanal para termos o que fazer no tempo livre. E uma das programações era Ice Skating. Não cheguei a ir com o colégio, mas fui um dia com a Maju, uma amiga que conheci lá, e foi muito bom, sem falar que não pagamos nada por isso. Não lembro a localização exata, até porque a gente se perdeu no caminho, mas se você estiver em Oxford, procura saber se tá rolando ice skating por aí, vale muito a pena!IMG_5216.jpg
  • Cinema: nada melhor que um cineminha naqueles dias que você tá deprê! Fui várias vezes no que fica perto da estação de ônibus. A única coisa chata é que não tem muita variedade de filmes, mas é sempre uma boa pedida nos dias mais parados.

Então, paro por aqui o post sobre passeios/ programas culturais, e já começo a me preparar para escrever sobre a bagaceira vida noturna. Espero que tenham gostado! Qualquer dúvida fiquem a vontade pra falar comigo, vou adorar ajudá-los e dar ainda mais dicas do que eu puder.

Beijos e até a próxima!

 

 

Anúncios

No BUS STOP com: Liana Soares

Um dia enquanto lia um blog ou outro sobre viagens, me deparei com o Ela é americana, que logo me chamou atenção!

Li vários posts interessantes sobre como é morar na Suiça, viagens pela Europa e muitas curiosidades sobre a vida local.

thumbnail_IMG_4704
Localização: Thun

Liana, autora do blog, nasceu no Rio de Janeiro, e até morou em terras Nordestinas, mas desde 2009 (7 anos!) mora na Suiça. Por seu blog fugir do convencional (diário de intercâmbio), tive a ideia de fazer um No BUS STOP com ela.

Afinal, Liana foi muito além de um simples intercâmbio de alguns meses. Fez as malas e foi atrás dos seus sonhos lá na Suiça! Hoje ela trabalha, viaja (muito) e é mãe. Quem ai também está curioso para saber mais sobre sua mudança para Suiça?

1. O que te fez largar tudo aqui no Brasil e ir morar na Suiça? Quais foram as maiores dificuldades?

Eu sempre gostei de idiomas e de desafios. Quando estive na Europa pela primeira vez numa viagem em 2004, coloquei na minha cabeça que queria voltar para morar por minha conta própria. Eu estudava Alemão na época e meu objetivo era conseguir um emprego na Alemanha. Terminou sendo Suíça. Além da minha motivação natural, eu estava desmotivada com a vida no Brasil, qualidade de vida, falta de segurança, tinha sido assaltada. Então estava 100% disposta pro que aparecesse. Não foi fácil, mas consegui um emprego na minha área aqui. O choque cultural já era esperado mas sem dúvida foi uma grande experiência (ainda é) e a maior dificuldade também. O dia a dia em outro idioma, outra cultura, outras regras que você não conhece bem, esse sim é o maior desafio. Mais até que o próprio trabalho em si.

thumbnail_DSC00758.jpg
Localização: Rheinfelden

2. Comparando o custo e qualidade de vida aí e aqui no Brasil, o que mais te surpreendeu?

Como realmente a qualidade de vida faz diferença na minha vida. A partir do momento que eu comecei a me acostumar com essa qualidade de vida que tenho aqui, vi o quanto me tornei mais tranquila, mais satisfeita com a vida, e o quanto aquela inquietação que me afobava no Brasil enfim se aquietou. Quanto ao custo, realmente aqui na Suíça é outra perspectiva. O que no Brasil é natural e óbvio como frutas “exóticas” e produtos nacionais, aqui esses são os importados. Porém eu cresci tomando guaraná, comendo pão de queijo, comendo mamão, e aqui tenho que pagar o triplo pra ter esses produtos. “

3. Quais foram as primeiras impressões ao chegar na Suiça e o que mudou depois de um tempo morando aí?

“As primeiras impressões na Suíça foram de um país extremamente organizado, limpo, severo nas leis e onde o chique e elegante é ser natural, simples. Quebrei vários pré-conceitos, aprendi coisas que não cabem nem nessa entrevista. Eu me deslumbrei com a Suíça, as paisagens, as montanhas, e ainda continuo me deslumbrando aliás. O que mudou não foi isso, aliás acho que esse deslumbramento nunca vai mudar. O que mudou foram outras coisas, eu mudei, e mudei também a visão do país, da cultura, que ao chegar aqui era muito curta, restrita, eu não sabia de quase nada da vida aqui. E ao viver aqui aprendi o jeito de viver aqui e aí sim, conhecendo mais, a gente muda um pouco a opinião, e por outro lado, termina adquirindo alguns hábitos suíços sem perceber, como entrar em casa sem sapatos, desejar “bom apetite” antes de comer, etc.

thumbnail_20140316_143838.jpg
Localização: Zürich

A Suíça é lindíssima, sem dúvida. Amo morar aqui. Mas como todo país tem seus defeitos, e esses eu fui enxergando ao longo do tempo. Fiquei muito feliz de conseguir enxergar o lado ruim da Suíça, pra não achar que aqui é o melhor lugar do mundo e poder pesar os dois lados. Alguns fatores que eu não enxergava antes aqui na vida na Suíça e que hoje eu os enxergo são por exemplo: o preconceito e racismo, a opinião sobre o inverno, frio e falta de sol, a questão do suicídio e a frieza das pessoas. 

4. Você já se sentia independente ao tomar a decisão de morar fora, ou acha que ganhou essa independência com o tempo?

Eu já me sentia muuuuitoooo independente! hahahaha. Bom, eu já morava sozinha em Recife há 9 anos e meio quando vim pra Suíça em 2009. Já tinha feito intercâmbio nos EUA. Ou seja, eu sabia me virar em algumas situações. Claro que “se virar” no Brasil “é fácil” com tudo no seu idioma e com pessoas que agem da mesma forma que você e que a cultura e as leis são naturais pra você. Se virar em um lugar totalmente diferente é outro patamar de independência, então hoje, com quase 7 anos de Suíça, e ainda com um filho pra criar, me considero uma mulher muito safa!
thumbnail_20140505_185917.jpg
Liana e seu filho Edi em Rapperswil

5. Quais são os conselhos que você daria para quem também quer largar tudo e ir ganhar a vida mundo afora?

“Acho que é fundamental não agir por impulso. Sair do Brasil não é a resolução dos problemas, e não é todo mundo que tá preparado pra encarar tamanho desafio não. Acredito que mudar de país (pra sempre) é mudar de vida, estar disposto a aceitar muita coisa, mudar seu estilo de vida. No meu caso, eu planejei minha vinda por anos, e era realmente o que eu precisava. Não planejo sair daqui por enquanto e não trocaria minha experiência por nada nesse mundo. O quanto aprendi aqui nenhuma escola ensina. Sem dúvida é uma experiência única e incrível. Mesmo que seja uma estadia temporária, é importante pesar tudo tudo tudo. Todos os fatores que pesam na sua vida no Brasil e imaginar como eles funcionariam fora.

thumbnail_DSC03095.jpg
Localização: Château de Chillon, Lago Genebra


Pesquisar muito, ler blogs, tem muito conteúdo bom por aí. E no fundo, só você vai sentir se é realmente isso. Se for, vai fundo.

E ai? Também ficou com vontade de largar tudo e ir ganhar a vida em outro lugar? Corre pra dar uma lidinha no Ela é Americana, que contém ainda mais informações sobre como foi todo o processo de ida, adaptação e muito mais!

E aqui vão meus agradecimentos, mais uma vez, a Liana, por ter topado fazer essa entrevista e contar um pouco mais sobre sua vida de maneira tão aberta e espontânea!

Até a próxima.

Livro do mês: Intercâmbio na Era Digital

Para inaugurar a tag Livro do mês ninguém melhor do que Marina Motta, a quem eu devo todo meu agradecimento pela inspiração quando o assunto é intercâmbio e viagens. Na bagagem, a autora dos livros Intercâmbio de A a Z e do mais novo lançamento Intercâmbio na Era Digital, traz consigo 11 intercâmbios e viagens a mais de 40 países diferentes! Morou em diversas cidades, como: Bournemouth, Riverside, Sydney, La Rochelle, Paris, Vancouver, Toronto, Colônia e Orlando. Vivendo, assim, as mais diferentes experiências. Seus livros contam com relatos entusiasmados e muito originais sobre suas viagens e por isso garanto que vai muito além de um simples guia.

Marina, que começou sua vida como intercambista aos 14 anos, nos deu uma verdadeira mão na roda quando resolveu colocar em um livro todas as informações necessárias para viajar. O pré-intercâmbio, que vai desde o que levar na mala até a ansiedade que antecede a viagem. O pós-intercâmbio, com direito a um capítulo -um dos meus preferidos- detalhado sobre a tão falada síndrome do regresso. É impossível ler e não se pegar pensando “isso também aconteceu comigo”. Sem falar nos capítulos onde ela da informações sobre cursos para as mais diferentes faixas etárias, liberdade e segurança, dormitórios e casas de família, amores de intercâmbio, como conviver com pessoas de outras culturas, bolsas de estudo, visto e muitas outras coisas. É o tipo de livro que todo intercambista tem que ler antes de embarcar na sua próxima aventura, e que todos os outros tipos de viajantes deveriam ler para agregar informações na bagagem.

Confira também esse vídeo onde ela conta um pouco sobre o seu mais  novo lançamento: Intercâmbio na Era Digital.

Com uma escrita que faz o leitor se aproximar da autora, o livro torna-se algo instigante e ao mesmo tempo leve de ler, apesar das suas 200 e pouquinhas páginas. Fazendo você viajar a lugares de A a Z e se identificar com relatos bastantes atuais que englobam a geração “selfie”(principalmente no livro novo, já que o mesmo foi elaborado pensando nela). Abordando privilégios que a nossa geração usufrui, como o de matar as saudades da família e amigos via Skype, Facebook, Instagram, Whatsapp. E além disso, abordando também como lidar com os malefícios trazidos por essa nova era que está sempre com o status online. Eu, como leitora, garanto que ambos os livros não deixam a desejar.

Clique aqui para comprar o livro Intercâmbio de A a Z e aqui para comprar o livro Intercâmbio na Era Digital.

Boa leitura e boa viagem!